Seções

Denuncias/Sugestões
Sindicalize-se
Links

Bolsa de Emprego

Cadastro de Currículo
Consulta de Currículo

On line

Últimas Notícias
Notícias Anteriores

Notícias Antigas


Sintonia

 

 

Novos convênios

 



2902

Ultimas Noticias

23.10.2014 - Jornal terá de indenizar cantor e sua mulher por difamação

O desembargador Carlos Alberto França, em decisão monocrática, reformou parcialmente sentença da 18ª Vara Cível e Ambiental da comarca de Goiânia que condenou o Jornal Extra Infoglobo Comunicado e Participações S/A a indenizar por danos morais o cantor Marrone e sua mulher, Natália Ferreira Portes, em R$ 50 mil. O Jornal Extra, em seu portal, veiculou matéria jornalística que sugeria que o casal estava falido.

Em primeiro grau, o jornal foi condenado a pagar R$ 1,5 milhão para o casal, mas, por entender que a quantia era “demasiadamente elevada”, o desembargador decidiu por diminuí-la. José Roberto Ferreira, o Marrone, receberá R$30 mil e Natália R$20 mil. Marrone recebeu indenização maior que sua mulher porque, segundo o magistrado, ele “é pessoa pública, mais conhecida e, portanto, sujeita a maior exposição da mídia”.

O Jornal Extra buscou na justiça a reforma da sentença, porque segundo ele, “agiu dentro do exercício regular de seus direitos, não havendo falar, pois, em dever reparatório”. O desembargador, no entanto, constatou que a matéria excedeu os limites legais à propagação da notícia. Ele considerou que houve, no caso, a intenção de difamar ou injuriar do jornalista. “Fácil entrever as ofensas contida na matéria que, com conteúdo claramente difamatório, não se manteve dentro dos limites do direito constitucionalmente assegurado de informar”.

O magistrado ressaltou que o jornalismo não tem caráter apenas informativo, mas também investigativo. Segundo ele, o jornalista “precisa buscar informações e repassá-las aos leitores, porém de forma séria e responsável”, o que ele constatou não ter acontecido no caso. Carlos Alberto destacou, inclusive, que a matéria não era de interesse público e visava, tão somente, ofender a honra do casal.

O desembargador afirmou que a imprensa “constitui instrumento de preservação da própria liberdade de informação” e que cercear esse direito é inaceitável. Entretanto, ele explicou que o direito de informação não é absoluto, “sendo vedada a divulgação de notícias falaciosas, que exponham indevidamente a intimidade ou acarretem danos à honra ou a imagem das pessoas, em ofensa ao princípio máximo da dignidade da pessoa humana”. (201291146350) Fonte: TJGO



Impressos


Rua Barão do Teffé, 252 - Bairro Menino Deus - Porto Alegre-RS CEP:90160-150

Fones:(51)3029.4730, 3233.3500, 3019.6730 e 3024.4164

webmail / Todos Direitos Reservados 2012