Seções

Denuncias/Sugestões
Sindicalize-se
Links

Bolsa de Emprego

Cadastro de Currículo
Consulta de Currículo

On line

Últimas Notícias
Notícias Anteriores

Notícias Antigas


Sintonia

 

 

Novos convênios

 



3445

Ultimas Noticias

23.03.2015 - Salário-maternidade vale também em adoção

As seguradas e os segurados do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) que deram à luz, adotaram ou obtiveram a guarda judicial de uma criança têm direito a receber o salário-maternidade. A advogada Mayra Vieira Dias, sócia do escritório Terçariol, Yamazaki, Calazans e Vieira Dias Advogados, explica que o salário-maternidade é um benefício pago em caso de nascimento de um filho (vivo ou morto por aborto não criminoso) e de adoção ou guarda judicial para fins de adoção.

Em regra, o benefício terá duração de 120 dias e pode ser concedido a partir do 28º dia antes do parto ou após o parto. “Para a concessão do benefício, a empregada deverá apresentar a certidão de nascimento ou no caso de afastar-se 28 dias antes do parto, deverá apresentar atestado médico”, destaca a advogada Bianca Andrade, do escritório Andrade Silva Advogados.

São exigidos os seguintes documentos para requisitar o benefício: RG, atestado médico de afastamento do trabalho ou certidão de nascimento da criança, CPF, todos os comprovantes de recolhimento à Previdência Social – no caso de contribuinte individual, facultativo ou empregado doméstico – e carteira de trabalho e Previdência Social, nos casos de desempregado, empregado ou empregado doméstico.

O valor do salário-maternidade, segundo a advogada Carolina Quadros, do escritório A. Augusto Grellert Advogados Associados, varia conforme sua classificação junto ao INSS. “A empregada receberá o valor equivalente à sua remuneração mensal. Já a empregada doméstica receberá o valor correspondente ao último salário de contribuição. A segurada especial receberá um doze avos sobre o valor que incidiu sua última contribuição anual ou pelo menos um salário mínimo mensal e para a contribuinte individual. E a facultativa terá direito ao valor correspondente a um doze avos da soma dos últimos 12 salários de contribuição, apurados em período não superior a 15 meses”, registra.

Carolina Quadros ressalta que caberá à empresa pagar o salário-maternidade diretamente para a empregada segurada do INSS, sendo reembolsada através de compensação do valor no momento do pagamento das contribuições previdenciárias à União. “Já nos casos de adoção ou guarda judicial para fins de adoção caberá ao INSS o pagamento do salário-maternidade”.

De acordo com as especialistas, é necessário observar a carência fixada pelo INSS antes de requisitar o benefício. “As contribuintes individual, facultativa e especial têm carência que será de dez contribuições mensais necessárias para o recebimento do benefício. Já as seguradas empregada e avulsa não possuem carência”, revela a advogada Bianca Andrade. Fonte: Portal Previdência Total



Impressos


Rua Barão do Teffé, 252 - Bairro Menino Deus - Porto Alegre-RS CEP:90160-150

Fones:(51)3029.4730, 3233.3500, 3019.6730 e 3024.4164

webmail / Todos Direitos Reservados 2012