Seções

Denuncias/Sugestões
Sindicalize-se
Links

Bolsa de Emprego

Cadastro de Currículo
Consulta de Currículo

On line

Últimas Notícias
Notícias Anteriores

Notícias Antigas


Sintonia

 

 

Novos convênios

 



445

Ultimas Noticias

19.03.2013 - Trabalhadora será indenizada após desenvolver síndrome do esgotamento profissional

A Atento Brasil S/A terá que indenizar, por danos morais, no valor de R$ 5 mil, uma ex-funcionária que desenvolveu síndrome de Burnout, conhecida como síndrome do esgotamento profissional. O caso foi analisado pela 3ª Turma do TRT18 (GO).

A decisão de 1º grau havia condenado a empresa ao pagamento de horas extras, indenização por danos morais e reversão da dispensa da impetrante por justa causa. Inconformada, a acusada alegou que a demissão ocorreu porque a operadora teria xingado um cliente. Quanto à reparação moral, argumentou que não é devida, pois sempre orienta os teleoperadores a desligarem o telefone quando os clientes são grosseiros e que por isso eles teriam, no máximo, "o dissabor de ouvir algo desagradável".

Para o relator, desembargador Geraldo Rodrigues do Nascimento, as provas constantes dos autos evidenciam estarem presentes todos os elementos indispensáveis à responsabilização civil da empresa. Conforme a perícia médica, ficou caracterizada a relação de causa (estresse laboral) e efeito (síndrome de Burnout). O perito destacou que "é de conhecimento técnico-científico o evidente risco psíquico para a atividade de teleatendimento". Ele também citou a Norma Regulamentadora nº 17 do Ministério do Trabalho e Emprego, que estabelece a garantia de pausas no trabalho imediatamente após operação onde tenha ocorrido ameaças, abuso verbal, agressões ou que tenha sido especialmente desgastante. Conforme depoimento de testemunha, a ré não concedia esse intervalo se as pausas legais já tivessem sido concedidas.

A Turma entendeu que a demissão por justa causa não deveria ter sido aplicada, já que a trabalhadora teve problema psíquico diagnosticado em data próxima ao ocorrido. "Embora tenha sido extremamente rude com o cliente, entendo, assim como a juíza de origem, que, naquele contexto, não deveria ter sido aplicada penalidade disciplinar máxima", argumentou o julgador. Segundo ele, o fato de o consumidor ter se irritado com o procedimento adotado pela Atento foi agravado pelo estado psíquico da empregada.

A teleoperadora havia pedido, inicialmente, indenização de R$ 15 mil, por danos morais, mas a juíza da 1ª instância fixou o valor em R$ 4 mil. Entretanto, a Turma aumentou a quantia para R$ 5 mil, pois "melhor atende às finalidades da compensação pecuniária" e não importa em enriquecimento sem causa. A autora também vai receber as horas extras e as demais verbas trabalhistas devidas em razão da nulidade da justa causa. Processo nº: RO – 0001922-31.2011.5.18.0013 Fonte: TRT18



Impressos


Rua Barão do Teffé, 252 - Bairro Menino Deus - Porto Alegre-RS CEP:90160-150

Fones:(51)3029.4730, 3233.3500, 3019.6730 e 3024.4164

webmail / Todos Direitos Reservados 2012