Seções

Denuncias/Sugestões
Sindicalize-se
Links

Bolsa de Emprego

Cadastro de Currículo
Consulta de Currículo

On line

Últimas Notícias
Notícias Anteriores

Notícias Antigas


Sintonia

 

 

Novos convênios

 



5952

Ultimas Noticias

07.03.2017 - Mulheres trabalham em média 7,5 horas a mais que os homens e acumulam com tarefas domésticas

As mulheres trabalham em média sete horas e meia a mais que os homens toda semana. E precisam acumular as responsabilidades com as atividades domésticas, sem receber nada em troca por essa segunda jornada.

Os dados fazem parte do Retrato das Desigualdades de Gênero e Raça, com informações colhidas de 1995 até 2015, e divulgado pelo Ipea, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.

A pesquisadora do Ipea Natália Fontoura comemorou os avanços nesses 20 anos, mas alertou que o caminho para a igualdade entre homens e mulheres ainda é longo.

Outro dado do mercado de trabalho é que diminuiu o percentual de jovens trabalhando como domésticas. Em 1995, essa era a ocupação de mais da metade das mulheres com até 29 anos. Em 2015, correspondia a 16%. O trabalho doméstico ainda é a ocupação de uma em cada cinco mulheres negras e de uma em cada dez mulheres brancas.

Nos 20 anos de pesquisa, o rendimento da mulher negra aumentou 80%. Mas a desigualdade entre gêneros e raças é tão grande, que a escala de remuneração continua a mesma. Os maiores salários são dos homens brancos. Em seguida vêm as mulheres brancas. Depois, homens negros. E, por fim, as mulheres negras com os menores salários.

A pesquisadora Natália Fontoura destacou essa desvantagem das mulheres negras. Quando o assunto é família, o percentual de mulheres chefes de família aumentou de 23% em 1995 para 40% em 2015. Uma em cada três famílias chefiadas por mulheres tem um cônjuge homem que trabalha, mas a renda principal é mesmo a da esposa.

Outra mudança é que, em 1995, o tipo mais tradicional de família era formado por um casal heterossexual com filhos. 60% das famílias eram assim. 20 anos depois, o percentual de famílias tradicionais caiu para 42%. Elas deram lugar aos domicílios com somente uma pessoa e também a casais sem filhos.

Mesmo assim, a responsabilidade sobre as tarefas domésticas ainda pesa muito na rotina das mulheres. Para a pesquisadora do Ipea Natália Fontoura, um dos efeitos da dupla jornada é que a inserção feminina no mercado de trabalho esteve praticamente congelada nesses 20 anos, abaixo de 60%.

A pesquisa, divulgada na Semana da Mulher, também mapeou a escolaridade. Nos últimos anos, mais brasileiros e brasileiras chegaram ao nível superior. No período, a população adulta negra com 12 anos ou mais de estudo passou de 3% para 12%. Mas o patamar de educação alcançado pelos negros em 2015 é o mesmo que os brancos já tinham 20 anos antes. Em 1995, 12,5% dos adultos brancos tinham chegado à universidade. Agora, esse índice é de 26%.  Fonte: Agência Brasil



Impressos


Rua Barão do Teffé, 252 - Bairro Menino Deus - Porto Alegre-RS CEP:90160-150

Fones:(51)3029.4730, 3233.3500, 3019.6730 e 3024.4164

webmail / Todos Direitos Reservados 2012