Seções

Denuncias/Sugestões
Sindicalize-se
Links

Bolsa de Emprego

Cadastro de Currículo
Consulta de Currículo

On line

Últimas Notícias
Notícias Anteriores

Notícias Antigas


Sintonia

 

 

Novos convênios

 


Guia Sindical

7431

Ultimas Noticias

11.06.2018 – Governo Temer terá que enfrentar nova denúncia na OIT

Após a humilhante derrota na Comissão de Aplicação de Normas, que considerou lesivos alguns itens da reforma trabalhista, o governo Temer é alvo de nova denúncia na Organização Internacional do trabalho (OIT). Na sexta (8), a Federação Única dos Petroleiros e a CUT encaminharam nova denúncia, agora ao Comitê de Liberdade Sindical da agência da ONU.

 

 

Motivo:cerceamento do direito dos trabalhadores de realizar uma greve legal e justa em defesa do patrimônio público. A FUP iniciou greve de 72 horas dia 30 de maio, mas o movimento acabou sendo interrompido por pressão do governo.

Na queixa, por prática antissindical, os dirigentes lembram que a liminar do Tribunal Superior do Trabalho (TST) contra a paralisação dos petroleiros foi dada no dia 29 de maio, um dia antes do início da greve. O protesto, que tinha como alvo os preços abusivos dos combustíveis e do gás de cozinha e contra a privatização da Petrobras, havia sido aprovado pela categoria e comunicado com antecedência à empresa, como prevê a legislação brasileira.

A denúncia também aponta que o TST declarou a greve abusiva e aplicou multa inicial de R$ 500 mil por dia em caso de descumprimento da decisão. A multa subiu para R$ 2 milhões por dia, em 30 de maio, sob a alegação de que a FUP havia descumprido ordem judicial liminar em favor do governo.

"O que estamos denunciando é um ataque brutal do governo contra todos os trabalhadores brasileiros, não só contra a categoria petroleira. A juíza que deferiu a liminar sequer ouviu a outra parte", afirma o petroleiro Roni Barbosa, secretário de Comunicação da CUT.

Segundo o dirigente, o objetivo desta nova denúncia à OIT é chamar a atenção do mundo para o que está acontecendo no Brasil. Ele acrescenta que as organizações internacionais precisam se posicionar e que o TST reveja essa decisão o mais breve possível.

Constituição- CUT e FUP lembram que a greve é um direito fundamental, assegurado pela Constituição de 1988, e diz em seu Artigo 9º que “Trata-se de direito fundamental cujas limitações devem estar expressas na própria Constituição e que os abusos sujeitam os responsáveis às penas da lei (§ 2º do artigo 9º)”. Fonte: http://www.agenciasindical.com.br/lermais_materias.php?cd_materias=9016

 

 



Impressos


Rua Barão do Teffé, 252 - Bairro Menino Deus - Porto Alegre-RS CEP:90160-150

Fones:(51)3233.3500 / 3019.6730

webmail / Todos Direitos Reservados 2012