Seções

Denuncias/Sugestões
Sindicalize-se
Links

Bolsa de Emprego

Cadastro de Currículo
Consulta de Currículo

On line

Últimas Notícias
Notícias Anteriores

Notícias Antigas


Sintonia

 

 

Novos convênios

 



4408

Ultimas Noticias

14.12.2015 - Empresa é condenada a indenizar propagandista vítima de piadas e apelidos

A Justiça do Trabalho de Brasília condenou a L'oreal Brasil Comercial de Cosméticos Ltda a pagar R$ 15 mil de indenização por danos morais a um propagandista que foi constrangido reiteradas vezes com piadas e apelidos sobre sua preferência sexual por um chefe imediato. O caso foi julgado pelo juiz titular da 8ª Vara do Trabalho de Brasília, Urgel Ribeiro Pereira Lopes. Segundo ele, a empresa foi negligente ao não tomar providências para coibir a prática de assédio moral.

“O dano moral diz respeito à violação da dignidade da pessoa humana, que envolve os valores morais que lhe são correlatos, configurando afronta grave ao trabalhador, que fere a sua honra, imagem, intimidade, dentre outros. A dignidade da pessoa humana é um dos fundamentos da República Federativa do Brasil (…). Nesse contexto, as garantias mencionadas criam um limite ao exercício do poder diretivo do empregador. Assim, a reparação moral se impõe quando excessos e abusos são cometidos, afetando o patrimônio moral do empregado”, explicou o juiz.

Na reclamação trabalhista, o empregado da L'oreal Brasil disse que seu chefe imediato criou grupo de trabalho no aplicativo de troca de mensagens Whatsapp, no qual teria sofrido com cobranças constantes, o que teria lhe gerado grande sobrecarga de trabalho. Além disso, o gestor teria exposto de forma vexatória o trabalhador em reuniões, apontando-o como o propagandista com pior resultado mensal. O mesmo chefe ainda fazia piadas sobre a preferência sexual do empregado, na presença de outros funcionários e também em eventos da empresa.

“A prova oral ratifica a exposição reiterada do autor a situações vexaminosas, sobretudo no que tange aos nomes e apelidos emprestados de forma zombeteira para com o reclamante. A reclamada não tomou providências, ao contrário, deixou o reclamante sendo humilhado por ação do seu próprio chefe imediato. Culpa que se estriba no art. 932, III, do Código Civil”, concluiu o magistrado na sentença. Processo nº 000429-51.2014.5.10.0008



Impressos


Rua Barão do Teffé, 252 - Bairro Menino Deus - Porto Alegre-RS CEP:90160-150

Fones:(51)3029.4730, 3233.3500, 3019.6730 e 3024.4164

webmail / Todos Direitos Reservados 2012