Seções

Denuncias/Sugestões
Sindicalize-se
Links

Bolsa de Emprego

Cadastro de Currículo
Consulta de Currículo

On line

Últimas Notícias
Notícias Anteriores

Notícias Antigas


Sintonia

 

 

Novos convênios

 


Guia Sindical

7947

Ultimas Noticias

05.12.2018 - Homens recebem salário 30% maior do que as mulheres no Brasil

Estudo do IBGE mostra que os profissionais do sexo masculino recebem, em média, R$ 2.261 por mês, contra R$ 1.743 dos trabalhadores do sexo feminino - A média salarial de R$ 2.261 paga aos profissionais do sexo masculino em 2017 foi 29,72% superior aos R$ 1.743 depositados mensalmente às mulheres, apontou um estudo divulgado nesta quarta-feira (5), pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

 

 

Instrução é maior influência das mulheres no mercado

 

De acordo com a publicação, o cenário de crise econômica ajudou a levar mulheres ao mercado de trabalho. Ainda assim, elas têm uma taxa de participação de 52,7% no ambiente profissional, contra 72,5% dos homens.

Carteira assinada rende salário 76% maior a trabalhador brasileiro

A pesquisa indica ainda que nem mesmo a maior escolaridade das mulheres é “suficiente para levá-las à força de trabalho em proporção maior ou similar à dos homens”. No entanto, o nível de instrução aparece com maior influência do sexo feminino no mercado de trabalho.

No ano passado, a taxa de participação das mulheres com ensino superior completo era 2,5 vezes maior que a das mulheres sem instrução ou com ensino fundamental incompleto. Já entre os homens, os mais escolarizados tinham 1,5 vez mais atuação na economia.

Pobreza avança e atinge um de cada quatro brasileiros

“As desigualdades entre os sexos são atribuídas tanto a práticas discriminatórias no mercado de trabalho, quanto à divisão por gênero das atividades de afazeres domésticos e cuidados”, observa o estudo.

Atividades domésticas

O levantamento do IBGE feito a partir de dados da PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) cita ainda que as mulheres dedicam quase um dia por semana somente com afazeres domésticos.

Segundo a pesquisa, as brasileiras passaram, em média, 20,9 horas semanais com afazeres domésticos no domicílio ou em domicílio de parente e/ou cuidados de moradores ou de parentes não moradores ao longo de 2017. Os homens, por sua vez, dedicavam, em média, 10,8 horas a essas atividades.

Os afazeres domésticos também são atribuídos pelo estudo como um dos entraves para a inserção das profissionais do sexo feminino no mercado de trabalho. “Entre as mulheres na força de trabalho potencial indisponíveis para começar a trabalhar, a maioria apresentou como principal motivo para a indisponibilidade ter que cuidar de afazeres domésticos, de filho ou de outro parente", explica o IBGE.

Governo sobe para R$ 1.006 previsão para salário mínimo em 2019

Outra constatação da pesquisa mostra que entre as 54,6% das mulheres com força de trabalho potencial que não conseguem arrumar emprego a maioria (20,7%) apresentou como principal motivo para a indisponibilidade ter que cuidar de afazeres domésticos, de filho ou de outro parente. O mesmo motivo representou apenas 1,1% das respostas dos homens.

"Tais resultados fundamentam a importância que é atribuída à expansão da rede de cuidados para crianças, idosos e pessoas com deficiência para ampliar a participação das mulheres no mercado de trabalho, o que, por sua vez, poderia implicar em crescimento do PIB e das receitas tributárias do País”, analisa o levantamento. Alexandre Garcia, do R7 - https://noticias.r7.com/economia/homens-recebem-salario-30-maior-do-que-as-mulheres-no-brasil-05122018

 

 



Impressos


Rua Barão do Teffé, 252 - Bairro Menino Deus - Porto Alegre-RS CEP:90160-150

Fones:(51)3233.3500 / 3019.6730

webmail / Todos Direitos Reservados 2012